Encontre o que precisa buscando por aqui. Por exemplo: digite o título do filme que quer pesquisar

quinta-feira, 2 de julho de 2009

No filme "Paris", o diretor Cédric Klapisch afirma que aquela cidade "é para os ricos".

O trabalho do diretor francês Cédric Klapisch (Neuilly-sur-Seine, 1961) já foi bem recebido em São Paulo, com “O Albergue Espanhol (2002) e “Bonecas Russas” (2005). Professor da Fémis -- escola parisiense de cinema, ele declara sua predileção por cineastas como Woody Allen, Bergman e Scorsese. Mas, como bem notou o crítico Luiz Zanin, este seu “Paris” tem muito de Altman, especialmente nos filmes em que a narrativa se fragmenta em vários núcleos, explorando diversos personagens unidos apenas pela linha tênue do acaso.
Eles gravitam em torno de um rapaz (Romain Duris) que (em pleno outono e ao som da “Gnossienne #1, de Erik Satie) descobre precisar de um transplante de coração para tentar permanecer vivo. As folhas mortas e o céu cinzento quase roubam o encanto das paisagens parisienses que ele observa da janela. Logo em seguida, o fio da história é puxado por figuras que, sem aviso, vão entrando em cena: a irmã (Juliette Binoche); o vendedor de frutas do bairro; a linda vizinha do prédio em frente; o professor de história que se apaixona por ela; seu irmão arquiteto e assim por diante.
Ao expor cada uma dessas pessoas em plena agitação existencial, o filme vai se aquecendo e pulsando de vitalidade, como já não acontecia com o coração do personagem que dera início à história. Klapisch salta de uma breve situação dramática para outra, com momentos de gênio, como o pesadelo do arquiteto que se vê dentro da maquete digital que ele mesmo criara. Aliás, a construção deste “Paris” remete a uma observação de Eisenstein em 1929. Ele comparava o teatro japonês a um jogo de futebol em que “voz, música, mímica e painéis coloridos são como os jogadores passando um para o outro a bola dramática e dirigindo-se para o gol, que é o atônito espectador”.
Paris
Paris
França 2008
estreia 03/07/2009
Distribuição Pandora
Gênero: drama
Direção de Cédric Klapisch
Com Juliette Binoche, Romain Duris e François Cluzet

2 comentários:

Anônimo disse...

Seus comentários são ótimos: precisos e ao mesmo tempo informativos, sem excessos de informações. Parabéns.
Regina Horemans.

troqueocanal disse...

adorei seu blogger...amo cinema...
está nos meus favoritos
PARABÉNS! Boas críticas