Encontre o que precisa buscando por aqui. Por exemplo: digite o título do filme que quer pesquisar

domingo, 26 de março de 2017

"Conspiração e Poder" questiona: vale mais a ética ou as conveniências do poder?



Robert Redford e Cate Blanchett compõem o elenco do filme "jornalístico-político"

O título original do filme “Conspiração e Poder” é “Truth”, ou seja, “Verdade”. Porque afinal é disso de que ele trata. Tudo se passa nos bastidores do departamento de jornalismo da CBS, ou seja, da Columbia Broadcast System. Ao lado da NBC e da ABC, a CBS é uma das três maiores redes norte americanas de rádio e TV. Imagine-se o poder que essa corporação detém no dia a dia dos EUA, ao exercer o oficio de descobrir e de revelar aquilo que se chama de “verdade”. Neste filme em que Robert Redford faz o papel do âncora Dan Rather, veremos o que pode acontecer quando essa empresa colide com os interesses da Casa Branca.
Os jornalistas descobriram que o presidente tinha evitado os combates durante o seu serviço militar no Vietnã. Isso seria uma mancha na carreira de George Bush que acontecera 40 anos antes dele se candidatar à reeleição em 2004. Para desviar o foco do noticiário sobre o assunto, o governo agiu para desacreditar os documentos, e assim, evitar a discussão se o futuro presidente fugiu ou não fugiu dos combates. Aqui no Brasil, aliás, a gente já viu esse truque em plena execução... 

Este é o primeiro filme dirigido pelo jovem roteirista James Vanderbilt que escreveu os filmes recentes do Homem-Aranha e adquiriu celebridade imediata em 2007, ao redigir o roteiro de “Zodíaco”, um excelente drama de suspense em torno de um espinhoso caso de jornalismo policial. Seguindo a linha daquele filme estrelado por Jake Gylenhall, Robert Downey Jr.
 e Mark Ruffalo, temos agora a competente Cate Blanchet no papel de Mary Mates, a produtora do programa “60 Minutos” apresentado por Dan Rather na CBS até 2005 e também autora do livro que deu origem ao roteiro.


Cate Blnachett está glorificante no papel principal

Todos sabemos que, em 1938, quando ainda era apenas radialista, o cineasta Orson Welles lançou uma adaptação radiofônica do livro de ficção científica “A Guerra dos Mundos”. A história foi contada pelo rádio como se fosse uma reportagem e muita gente entrou em pânico. Essa mentira, esse fingimento teve um sucesso tão retumbante que levou Welles para Hollywood. Mas aquele projeto estava fundamentado numa farsa e, até hoje, representa um problema de natureza ética. Isto é, o que viria em primeiro lugar... a verdade sobre o fato ou as conveniências do poder e das empresas de comunicação? Ou, colocando de outro modo, prevaleceria o título brasileiro “Conspiração e Poder”, ou o americano, que é simplesmente “Verdade”. 

segunda-feira, 20 de março de 2017

"Conspiração e Poder" fala da manipulação em prol dos poderosos na comunicação de massa


Cate Blanchet brilha como protagonista do longa.

O ponto central do filme “Conspiração e Poder” é um conjunto de documentos que foram considerados falsos, mesmo referentes a um fato bem real. O tema é uma farsa que o jovem George Bush teria praticado na época em que cumpria o serviço militar. E que, portanto envolve matéria à qual o povo americano é especialmente sensível. Trata-se de um vibrante docudrama protagonizado por Robert Redford, que desde “Leões e Cordeiros” de 2007 tem feito obras de conteúdo político.
Durante a Guerra do Vietnam, sabia-se que alguns jovens da elite usaram as suas conexões sociais para evitar o combate nas frentes de batalha. Apesar de ter obtido uma espécie de certificado de alguns oficiais, na verdade o jovem Bush não esteve presente no período e no local onde deveria servir, de 1961 a 1964. O avô dele era Senador e o pai foi o mais jovem piloto da marinha, tendo lutado durante toda a 2ª Guerra. Aos 40 anos Bush Pai tornou-se milionário e deu início à carreira de político como deputado. Foi vice-presidente entre 1981 e 1993. Mas entre 1961 e 1964 o Bush Filho era um "filhinho de papai". 

Em 2004, os jornalistas da CBS levantaram toda aquela história às vésperas da eleição presidencial, no final do primeiro mandato de George Bush - àquela altura, cheio de poder e prestígio. Essa reportagem se apoiava em memorandos assinados por um Coronel Killian, que continham referência ao fato, e no testemunho de outro oficial reformado. A reportagem foi ao ar no programa “60 minutes” no dia 08 de setembro, e naturalmente enfureceu o poder constituído. 

Robert Redford interpretra o âncora Dan Rather

No entanto, o governo conseguiu provar que os chamados “Documentos de Killian” eram falsos – simplesmente porque foram datilografados num computador e não numa máquina de escrever fabricada nos anos de 1960. Foi o suficiente para desacreditar os testemunhos e arruinar a carreira do ancora Dan Rather e toda a sua equipe. Na semana seguinte, os jornalistas foram obrigados a se retratar e a pedir desculpas ao vivo pela CBS. Abrindo um parêntese, hoje se acredita que alguém deve ter redigitado os documentos num computador e queimado os originais. 

Em outras palavras, 
para não ter que discutir se Bush cabulou ou não o serviço militar, conforme os testemunhos, preferiu-se lançar dúvidas sobre os documentos. Assim como se faz ainda hoje, por exemplo... para esfumaçar o conteúdo de um telefonema, questiona-se a legalidade da sua divulgação. Depois de 43 anos de trabalho, Dan Rather saiu da CBS e processou a empresa, por tê-lo usado como “bode expiatório” no conflito com a presidência da república. Agora com 85 anos, ele continua combatendo a influência dos governos e das corporações no jornalismo. Amanhã continuamos o nosso comentário sobre este magnífico “Conspiração e Poder”. Até lá.

segunda-feira, 6 de março de 2017

"Cinema Falado": Sesc Pompeia realiza uma sequência de atividades sobre cinema


Imagem do Sesc Pompeia, onde ocorrerão os eventos de "Cinema Falado"

Dos dias 8 a 24 de março o Sesc Pompeia realizará um ciclo de atividades e experiências sobre cinema. Na verdade, o evento "Cinema Falado" se define da seguinte forma:  uma investigação sobre a fala, enquanto discurso fílmico, a voz e o roteiro no cinema. O nome é só uma coincidência com o do blog, mas vale dar destaque a programação desse conjunto de workshops, experimentos cênicos e cursos.

Nos dias 8 e 9 de março (quarta e quinta), às 22h, Suzana Reck Miranda (mestre e doutora em Cinema) ministra o minicurso "O uso da música no cinema: uma introdução", que trata da trilha musical desde os primórdios da sétima arte até propostas estéticas do cinema moderno e contemporâneo.

Dagoberto Feliz comandará a encenação de "Fragmentos da Vida"

O filme "Fragmentos da Vida", de 1929 e dirigido por José Medina, é uma película brasileira muda e com ela o diretor Dagoberto Feliz ("O Que Se Move"), nos dias 17, 18 e 19 de março (de sexta a domingo), fará a posposta de um experimento cênico: em uma espécie de jogo cênico, os atores dizem o texto que é exibido nos letreiros, e um deles - surdo - interpreta as mesmas cenas em LIBRAS. Cantores, piano ao vivo e sonoplastias incorporam-se às cenas, revivendo a sonorização características das projeções de cinema mudo do começo do século XX.

Dagoberto explica que a escolha desse filme, que conta a história de dois sujeitos que sobrevivem em fazer golpes, se deu pois a partir dele "existe um tema, o som; também uma sequência de temas do projeto, interpretação e roteiro; e uma provocação: fazer o som ao vivo. Porém, ‘escutando’, esse verbo pode ser utilizado de várias maneiras; e ‘re/escutando’ os tempos bicudos nos quais vivemos surgem outros temas que o filme também ‘escuta’, lá em 1929. Entre eles, dois nos interessaram: a desigualdade (explícita) e a inadequação (do indivíduo inapto). O homem totalmente inserido é o que se deseja; o homem amansado, aquele que cumpre rigorosamente com suas obrigações. Essa busca era, e continua sendo, cruel até hoje. E cruel é o tratamento dado ao que é diferente de nós”.

O música DJ Dolores, que fará um workshop em "Cinema Falado"

E para encerrar, o experiente compositor para cinema DJ Dolores ("Tatuagem" e "O Som ao Redor") realiza uma conversa com o público acerca do conceito de música cinematográfica, filmes que o influenciaram, soluções criativas na combinação entre imagem e som, a relação compositor/diretor/roteirista e, ainda, reserva momentos do workshop para falar do seu próprio trabalho. Isso acontecerá nos dias 23 e 24 de março (quinta e sexta), às 19 horas.

Para os realizadores do evento, "Cinema Falado" é um "convite à reflexão sobre a fala no cinema, desde a escrita do roteiro, passando pelas escolhas da direção, culminando no trabalho do ator e incluindo até mesmo os desdobramentos políticos da fala enquanto construção narrativa e representação do outro.As inscrições são feitas separadamente para cada evento e podem ser realizadas na Central de Atendimento do Sesc Pompeia e online. Para mais informações e consulta de preços das inscrições, acesse o site do Sesc.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Federico Fellini foi um dos diretores que melhor incorporou a "carnavalização"




O diretor italiano comandando sua orquestra.

O filósofo russo Mikhail Bakhtin, um dos fundadores da semiótica, falecido em 1975 aos 80 anos, formulou o conceito de “carnavalização”, como parte de uma teoria geral do humor. 
Para ele, o carnaval representa um conjunto de manifestações da cultura popular medieval, além de um princípio para a compreensão de mundo que, ao ser transportado para obras literárias, chama-se “carnavalização da literatura”. De modo simplificado, ela se manifesta pela inversão das formas consagradas. Quando essa atitude é passada para o cinema, o primeiro cineasta a ser lembrado é Federico Fellini.

O filme de Fellini em que melhor se percebe essa postura de inversão é “Satyricon”, realizado em 1969. Ambientado na Roma no tempo de Nero, o roteiro se inspira no texto do cronista Petrônio, que vivia naquela época e frequentava a corte do imperador. 

O protagonista é o jovem Encólpio, que lamenta a perda de seu amante Gitone para o seu amigo Ascilto. A carnavalização felliniana se manifesta na própria forma do filme que se mostrava erótico, extravagante e escandaloso, enquanto a corrente dominante do cinema focalizava as mais sérias questões políticas e existenciais. 


“Satyricon de Fellini” se encontra numa caixa junto com outros três títulos do diretor. Numa linha estética semelhante, temos “Roma de Fellini”, de 1972, que pode ser definido como um filme-ensaio sobre a própria memória do cineasta. Por meio de lembranças ficcionadas da sua juventude, e de algumas cenas da cidade no tempo em que o filme foi rodado, Federico reconstrói a Roma da sua imaginação. 

Parte de "Roma de Fellini", de 1972

Em seu último filme, “A Voz da Lua”, de 1990, o cineasta retorna àquela mesma atmosfera onírica e poética. O filme é armado pelos devaneios de um lunático, interpretado pelo cômico Roberto Benigni que, mais tarde, seria premiado com o Oscar por “A Vida é Bela”. 

E finalmente a caixa se completa com o documentário “Ciao Federico”, de 1970, filmado nos bastidores da produção de "Satyricon", com a participação de Giulietta Massina, Capuccine e do próprio Federico. Isso e mais uma hora de entrevistas e depoimentos na coleção da Versátil com o título de “A Arte de Federico Fellini”.

Filmes dos Irmãos Marx são diversão garantida para as platéias.

Quarteto era composto por Groucho, Harpo, Chico e Zeppo.

Para alegrar o carnaval dos cinéfilos, sugerimos DVDs com os cinco primeiros filmes dos Irmãos Marx, esse o mais completo e competente time de humoristas da história do cinema americano. Essa coleção da Universal inclui "No Hotel da Fuzarca", "Os Galhofeiros", "Os Quatro Batutas", "Os Gênios da Pelota e Diabo a Quatro"
Groucho, Chico e Harpo já estavam numa outra caixa da Warner, também disponível no Brasil, e contendo outras seis comédias insuperáveis: A Grande Loja, No Tempo da Onça, Um Dia nas Corridas, Os Irmãos Marx no Circo, Uma Noite em Casablanca e Uma Noite na ÓperaEstes últimos são espetáculos musicais de produção requintada.
O que marca o trabalho dos Irmãos Marx é a coordenação de três diferentes estilos de comicidade. Em primeiro lugar, o humor verbal e anárquico de Groucho, famoso por frases de efeito, como “não frequento clubes que me aceitem como sócio”. Depois, as piadas visuais criadas pelo Harpo, que jamais falava, e cujas gags partiam para o absurdo. E, finalmente, o Chico. 

Além de fazer o tipo do imigrante italiano que nunca conseguia se expressar em inglês corretamente, em todos os filmes, ele costumava apresentar um número de humor musical, tocando piano de um modo caricato e muito engraçado. Os Irmãos Marx
 significam diversão garantida.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Chanchada "Tudo Azul" traz consigo homenagem ao carnaval e crítica social


Letreiro do filme de Moacyr Fenelon
Quando se pensa em juntar filmes e carnaval, a associação mais imediata são as comédias carnavalescas que dominavam o nosso cinema entre os anos de 1940 e 1960. 
Esse tipo de espetáculo conhecido como “chanchada”, entretanto, começou a perder força com o advento da televisão. Mas algumas obras primas do gênero podem ser vistas em DVD ou no Youtube. Entre elas, o magnífico “Tudo Azul” dirigido por Moacyr Fenelon, com roteiro de Henrique Pongetti, em 1952.

Era uma comédia abertamente crítica e social, como se percebe em seu carro chefe “Lata d’agua na cabeça”, uma marchinha de Jota Junior. Enquanto Marlene cantava, a imagem mostrava lavadeiras reais, filmadas de verdade, numa favela de morro.


Cena do musical "Tudo Azul"

O lado especificamente satírico e político de “Tudo Azul”, porém, aparece em outros números musicais do filme, como é caso do célebre Maria Candelária, cantada pelo saudoso Blecaute. 

O filme traz outras marchinhas que impressionam pela temática social, como por exemplo “O Apanhador de Papel”, lançada pelo grupo Quatro Ases e um Coringa. A imagem mostra moradores de rua apanhando restos de papel para reciclar, enquanto pessoas bem vestidas saem alegremente dos bares restaurantes.


Com um elenco repleto de estrelas da década de 1950, ou seja, Virgínia Lane, Luiz Delfino, Linda Batista, Dalva de Oliveira, Jorge Goulart e a participação especial da Escola de Samba Império Serrano. O filme "Tudo Azul", voltou em 2002 em cópia restaurada, quando foi relançado pelo SESC.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Marcelo Gomes faz um encantador trabalho em "Cinema, Aspirinas e Urubus"


João Miguel (esquerda) e Peter Ketnath (direita) protagonizam o longa

Hoje vamos voltar uns 12 anos no tempo e relembrar um belo filme para ser revisitado em DVD ou na TV a cabo. É “Cinema, Aspirinas e Urubus”.A direção era de Marcelo Gomes e, no elenco estavam Peter Ketnath, João Miguel e Hermila Guedes.
Em plena 2ª Guerra, o sertanejo nordestino Ranulpho segue em busca de vida melhor no Rio de Janeiro. Nesse caminho, porém, ele encontra um aventureiro alemão que, numa direção oposta, foge da guerra na Europa e pretende se embrenhar cada vez mais pelo sertão nordestino. O estrangeiro sai do Rio de Janeiro e se dirige ao Nordeste do Brasil num caminhão carregado de frascos de aspirina e de filmes para a divulgação desse produto, que ainda não era conhecido entre nos.

Desse encontro, resulta uma amizade quase impossível, que permite ao então estreante diretor pernambucano Marcelo Gomes desenvolver um curioso ensaio sobre o confronto e a atração entre duas culturas diferentes. Ou seja, traz um olhar completamente novo sobre o processo de integração do Brasil arcaico à moderna civilização ocidental que, no filme, é simbolizada pelo rádio, pelo cinema, pelo motor a gasolina e pela indústria farmacêutica.

O rádio do caminhão transmite os sucessos da Rádio Nacional, enquanto um projetor portátil exibe filmes de propaganda – esse é o saboroso lado documental do filme. No Festival do Rio de Janeiro de 2004, Cinema, Aspirinas e Urubus, ganhou o Prêmio Especial do Júri, além do prêmio de Melhor Ator para João Miguel, que interpreta o sertanejo Ranulpho. Na 29ª Mostra Internacional de Cinema SP, o ator repetiu a façanha e o filme foi a primeira produção brasileira a receber o prêmio de Melhor Filme da Mostra.


Filme tem o sertão de Pernambuco como cenário

Essa impressionante série de troféus começou no Festival de Cannes, em que recebeu o Prêmio da Educação Nacional, concedido pelo Ministério de Educação da França. Caberia, então, perguntar se esta é uma peça educativa. De modo geral, qualquer filme é capaz de educar, desde que apresente qualidade artística. Mas este trabalho de Marcelo Gomes é um curioso exemplo de ensaio histórico e sociológico sobre o Brasil dos anos de 1940.

A história se passa em 1942, no interior de Pernambuco, onde se cruzam um sertanejo que foge da seca e um alemão que foge da guerra, vendendo aspirina pelo sertão. Só que além dessas figuras centrais, “Cinema, Aspirinas e Urubus” quase atribui status de personagem a determinados meios de comunicação que promoveram a inserção do Brasil no mundo contemporâneo, ou seja, o cinema e o rádio.