Encontre o que precisa buscando por aqui. Por exemplo: digite o título do filme que quer pesquisar

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Trilogia da Incomunicabilidade de Antonioni: três obras-primas reunidas numa única caixa


Lançada em DVD pela Versátil a célebre Trilogia da Incomunicabilidade de Michelangelo Antonioni (1912-2007), numa caixa com três discos, repleta de informações adicionais, como reportagens, entrevistas e depoimentos do autor e de outros cineastas sobre estas obras-primas dos anos de 1960: “A Aventura”, “A Noite” e “O Eclipse”(foto abaixo: Alain Delon e MonicaVitti). A surpresa começou no início da década com o diretor recorrendo a planos sequencia em tomadas bem abertas, nos quais a perplexidade e o tédio dos personagens incluía o ambiente em que eles se deslocavam. “A Aventura” (foto acima: Monica Vitti e Gabriele Ferzetti), o primeiro da série se situa numa ilha vulcânica do Mediterrâneo em que uma mulher rica desaparece e, enquanto a procuram, um relacionamento se inicia entre seu namorado e a melhor amiga. 
Numa entrevista de 1970, Antonioni dizia: “Talvez em todos os meus filmes eu esteja procurando as pegadas dos sentimentos humanos, num mundo em que elas foram enterradas para dar lugar à aparência: um mundo em que os sentimentos obedecem às relações públicas”. Ao longo da trilogia, ele foi simplificando o seu processo de trabalho. Após terminar “A Noite” (foto abaixo: Marcelo Mastroiani e Jeanne Moureau), declarou que passara a dar mais importância à verdade contida em cada cena do que até mesmo à narrativa: “Abandonei parte da bagagem técnica, eliminando as transições lógicas entre as sequencias” – dizia – “Cinema não é imagem, paisagem, postura, gesto. Mas um todo indissolúvel, com uma duração que lhe é própria e que determina a sua essência”. De fato, mais do que histórias com começo, meio e fim, as obras de Antonioni podem ser vistas como poemas cinematográficos.

2 comentários:

Enaldo disse...

Eu assisti "A Noite" na década de oitenta. Parceu-me um soporífero filme sobre relacionamentos bem ao gosto do que foi feito no cinema brasileiro por algum tempo.

Luciano Ramos disse...

Como o Walter Hugo Khoury